AMERINDIA n°10, 1985

apontamentos sobre o nheengatu falado no rio negro, brasil*

Gerald TAYLOR

C.N.R.S.

Existe uma abundante literatura dedicada à língua geral que, durante a época colonial, servia de veículo de comunicação principal numa vasta região da Amazônia brasileira[1]. Se os textos sobre as variantes contemporâneas da língua geral conhecidas sob o nome de nheengatu, incluem um certo número de gramáticas normativas, nas quais a rigidez das categorias impostas não tem nada a invejar aos trabalhos clássicos dos primeiros missionários[2], são raros ou quiçá inexistentes os estudos concebidos em termos da lingüística moderna. O nheengatu ainda é falado como língua materna por núcleos familiares comumente chamados "caboclos" no médio Rio Negro entre Barcelos e Tapuruquara. Segundo informações obtidas em São Gabriel da Cachoeira, também é falado pela maioria das comunidades ribeirinhas acima de Tupuruquara até a fronteira venezuelana. No Rio Xié parece já ter-se substituído au uerequena e no baixo Içana, até um pouco mais acima da missão salesiana, já eliminou o baniua. Nos municípios de Santa Isabel de Tapuruquara e de São Gabriel da Cachoeira, aos poucos, o português está conseguindo substituir-se ao nheengatu, graças principalmente aos esforços da missao salesiana. No caso de São Gabriel, o processo rápido de aculturação da juventude comecou nos anos 70 com a construção da estrada e se consolidou com a introdução da sociedade de consumo. É relativamente fácil obter produtos da Zona Franca de Manaus e os aparelhos de televisão em cores são comuns. As novelas ambientadas nas grandes metrópoles do sul e que tratam temas típicos das altas camadas da sociedade branca nacional - sobretudo o problema da ascenção social - correspondem a uma ideologia que tem pouco a ver com a vida tradicional da sociedade rionegrense, educada segundo os critérios austeros da missão. Hoje, a maioria dos jovens fala o português, "escuta" (usendú) o nheengatu mas não o fala[3].

VALE DO RIO NEGRO

R1 Rio Negro     R3 Rio Içana

R2 Rio Xié          R4 Rio Uaupés

  Missões Salesianas

É difícil saber exatamente quando a lingua geral cessou de ser utilizada como língua de comunicação no Solimões e no baixo Amazonas. Há ainda pessoas de idade que a falam e compreendem, mas parece que não há mais ninguém que a fale como língua materna. A principal diferença entre o nheengatu que se falava nesta região e a variante que se expandiu na área do Rio Negro é de natureza fonológica. Da primeira variedade só ouvi gravações feitas pelo Professor Ademir Ramos em território maué com informantes de língua materna sateré-maué. Como observou muito apropriadamente o Professor Ramos, é possível que o sistema fonológico do tupi tenha sido conservado melhor num ambiente onde a língua étnica também é de origen tupi. De toda maneira, a vogal central alta /i/ se mantém como fonema distinto, não confundindo-se com /i/, como aconteceu no Rio Negro onde não havia nenhum grupo tupi. Nos textos gravados pelos sateré-maués, ouve-se claramente a oclusão glotal em contextos onde ocorre também em maué. Contudo, não podemos garantir a relevância fonológica da oclusão glotal, já que no nheengatu do Rio Negro, também ocorre não só em contextos onde existe uma justificação etimológica para a sua presença, mas também em qualquer discurso enfático. Na fala rápida desaparece por completo e as seqüências vocálicas se contraem. Na região maué, as oclusivas prenasalizadas */mb/ e */nd/ se reduzem geralmente às suas componentes nasais /m/ e /n/, respectivamente, en quanto no Rio Negro se conservam en posição intervocálica:

ex. nami (Maués), nambi (Rio Negro) "orelha"; usenu (Maués) usenduú (R.N.) "(ele) ouve". Estas distinções correspondem às normas dos textos publicados por Couto de Magalhães e Tastevin: ambos os autores indicam a presença de /i/ associada à reduçao dos grupos */mb/ > /m/ e */nd/ > /n/. Sabemos que os textos de Tastevin são de Tefé. Couto de Magalhães não indica as suas fontes, mas é evidente, pela variedade das formas atestadas, que recolheu material tanto no complexo Solimões Baixo-Amazonas quanto no Rio Negro.

Das duas variedades que tive oportunidade de estudar no Rio Negro, a dos caboclos de Ribeira, Ilha Grande, Tapuruquara, e a do Içana (com substrato baniua) falada em São Gabriel e nos arredores, as poucas diferenças são principalmente morfológicas. Na realidade, as duas formas devem ter estado em contato quase permanente, já que se pode comprovar, segundo os diversos testemunhos, a existência de uma migração regular em ambos sentidos entre o Içana e Tupuruquara, ligada principalmente ao sistema econômico extrativista da região. Relações familiares são atestadas entre os caboclos de Tupuruquara e os "beirantes" do Rio Negro acima de São Gabriel e da boca do Içana. No caso dos caboclos, é difícil saber o que fica dos sistemas clânicos que ainda subsistem no Içana, jâ que, vivendo num meio mais "civilizado", devem adaptar-se às normas da sociedade branca e da missão. O morador de Tupuruquara faz uma distinção entre o nheengatu que ele fala e aquele do Içana: o exemplo que cita é sempre o da pronúncia da marca casual de direção /-kití/ que, no Içana, seria [kití] sem a palatalização abrasileirada característica da pronúncia local, [kityí]. Na realidade, esta segunda pronúncia é característica de ambas as variedades e o mesmo critério é utilizado pelos içaneiros para distinguir a própria fala da dos uerequenas do Xié, onde a ausência de palatalização seria a conseqüência do contato com os espanhóis (ou seja, os colombianos e os venezuelanos). Em Ribeira, considera-se que a variedade de nheengatu falada na ilha é a mesma que se fala em geral nos arredores de Tupuruquara, mas que pode haver algumas pequenas diferenças segundo o núcleo familiar. Um exemplo preciso foi citado: ii significa "água", cf. asu au ii "vou beber água". Em alguns contextos, esta forma se reduz a í:[4] ti-ã maã í "não tem água". Parece que, em outros lugares, esta redução não se produz e pode-se ouvir: ti-ã maã ii. É verdade que critérios subjetivos são sempre suspeitos, mas na ausência de outros, é preciso tomá-los em consideração, já que são indícios culturais importantes.

Dada a importância da contribuição do português à formação do léxico do nheengatu e também a existência de um substrato de outras línguas indígenas, seria necessário incluir num inventário completo dos fonemas das variantes atualmente faladas no Rio Negro, todos os que são usados correntemente no português local. Mas a transformação fonética de palavras assimiladas em épocas anteriores como /surára/ "soldado" ou /sáuru/ "sábado" mostra que um sistema preciso, próprio da língua, é subjacente nas formas heterogêneas que constituem o léxico atual. Por isso, parece-me interessante tentar identificar o sistema fonológico de base do nheengatu rionegrense. As variedades tomadas em consideração são as faladas na Ilha Grande de Tapuruquara, nos arredores de São Gabriel da Cachoeira e na boca do Içana. O conjunto de seis vogais orais do tupi encontra-se reduzido a só quatro. */i/ se confunde com */i/ > /i/. Assim, temos /mikúra/ < */mbikur/ "gambá", que corresponde à pronúncia "mucura"[5] do português local. */o/ não parece ter-se conservado como fonema autônomo, confundindo-se com */u/ > /u/. A pronúncia deste fonema é um pouco mais aberta nas variantes faladas acima de São Gabriel. Em algumas palavras de uso freqüente, o tem sido reconstituído à partir de */-aw/. Assim, /akwaw/ "sei", forma atestada em Couto de Magalhães e outros autores, virou akwo ou ako. A última variante é traduzida, em Ribeira, pela expressão portuguêsa "acho", sendo uma sorte de comentário modal sobre o conteúdo de um enunciado. Para traduzir "sei" usa-se akwa.

Fonemas vocálicos orais

Anterior                        Posterior

Alto                      /i/                                 /u/

Médio                   /e/

Baixo                                     /a/

Existe também uma série de vogais nasais equivalentes à série das orais. Correspondem às vezes a formas apocopadas resultantes da supressão de uma sílaba final cuja consoante inicial era nasal: irũ < irúmu "com ele", arã < aráma "para". Com raras exceções (kãwéra "osso"), as vogais nasais são acentuadas. A vogal acentuada que segue uma consoante nasal é sempre nasalizada: paranã "rio"[6]. Ao repetir-se a vogal que segue a consoante nasal na sílaba seguinte, se a segunda vogal for acentuada, esta se nasaliza: amaã "vejo". Quando outra consoante nasal segue a vogal acentuada, a nasalidade deste se assimila à da consoante seguinte: ména "marido".

Fonemas vocálicos nasais

Anterior                        Posterior

Alto                      /ĩ/                                 /ũ/

Médio                   /e/

Baixo                                     /ã/

Os exemplos seguintes mostram o contraste entre vogais orais e nasais.

/a/    :    saá "se"                         /ã/    :    asaã "experimentos"

/e/    :    seé "gostoso"                 /e/    :    see "doce"

/i/    :    ti "não"                           /ĩ/    :    tiĩ "nariz".

/u/   :    asu "vou"                       /ũ/   :    anhũ "só"

O sistema consonântico do nheengatu do médio e do alto Rio Negro tem sido modificado pela contribuição de sons típicos (a) do português, (b) de substratos de outras línguas indígenas e (c) de palavras da língua geral transformadas segundo as normas do português local e reincorporadas na língua. Como exemplo de primeira categoria, poderíamos citar a palavra -pudéri "poder"; de segunda, quiçá, di [dyi] "machado"[7] e de terceira, igára "canoa" onde ig- corresponde à grafia antiga de /i/, vogal central alta. A pronúncia /iara/ subsiste ainda em maué. Outro exemplo é urubu (/uruwú/ en maué) que aparece no texto incluído neste artigo. Nos casos citados, o fonema alheio ao sistema é sempre uma oclusiva sonora. No esquema que proponho para o nheengatu rionegrense, só encontramos oclusivas sonoras prenasalizadas e em posição intervocálica. Em posição inicial absoluta reduzem-se às respectivas componentes nasais e só o conhecimento da etimologia ou da dialetologia. comparativa permite restituir */mbeyú/ à partir de meyu "beiju". Não incluímos entre as consonantes a oclusão glotal: ///, cuja presença, embora notada na fala enfática, não parece indicar contraste semântico. No quadro que segue, indicamos ao lado de cada fonema, a grafia escolhida para representá-lo nos textos.

Fonemas consonânticos

Labiais      Alveolares    Palatais        Velares

Oclusivas                 /p/   p        /t/[8]   t                            /k/   k     /kw/    kw

Oc. prenasalizadas   /mb/ mb     /nd/8 nd                         /ng/ ng   /ngw/   ngw

Nasais                     /m/ m       /n/   n          /ñ/ nh

Sibilantes                                  /s/    s          /š/ x

Vibrante                                   /r/    r

Vocálicas                 /w/   w                          /y/ y

A estrutura canônica da sílaba é: (C)V[9]. Em princípio, a combinação de duas vogais constitui duas sílabas. Contudo, é possível também ouvir ditongos como variantes, ex. /ukái/ [u-ká-i] ~ [u-káy] "queima-se". As vogais compridas ou repetidas que aparecem nos léxicos: e textos transcritos por Couto de Magalhães e Monsenhor Frederico Costa se eliminam na fala rápida e, em muitos casos, nega-se até a sua existência na língua contemporânea, ex. -yúka 'colher, arrancar' (cf. iuuca "tirar" no léxico de F. Costa).

As normas gráficas que temos adotado aqui, temtam combinar a tradição de uma lingua "indígena" nacional cuja transcrição começou na época da conquista com as necessidades práticas associadas à apresentação de textos gravados numa língua de uso popular e destinados a ser lidos pelas mesmas comunidades que os transmitiram. Assim, utiliza-se nh para transcrever /ñ/, mas em vez de manter as grafias multiplas que representam tradicionalmente /s/ (s, ss, c, ç) et /k/ (c, qu), utilizamos aqui s, que nunca se sonoriza, e k respectivamente. Seguindo os mesmos critérios, w e y são empregados para transcrever /w/ e /y/ respectivamente, já que o uso tradicional de u ou hu e i ou hi cria problemas para a compreensão imediata da forma escrita de uma língua onde as seqüências vocálicas são freqüentes[10]. x transcreve /š/ et ch é usado só nas palavras de origem portuguesa. Nos apontamentos gramaticais de Couto de Magalhães, Mons. F. Costa, Stradelli, etc. encontramos o prefixo xa- [ša] que representa a primeira pessoa-sujeito. Esta forma parece não ser mais conhecida nas comunidades do Rio Negro onde os falantes atuais da lingua a assimilam ao amálgama do pronome ixe "eu" e do prefixo verbal a- '1s'[11] no discurso rápido. Todavia, temos notado ha- [xa ~ ha] como variante de a- nas gravações de falantes de nheengatu de Maués e na região do Içana. Esta variante nunca aparece nos textos gravados na Ilha Grande de Tapuruquara. Escrevemos os outros fonemas do nheengatu com os símbolos que representam os seus valores fonológicos respectivos no quadro apresentado acima. Os derivados do português, quando não são assimilados completamente ao sistema fonético do nheengatu, são transcritos conforme as normas da língua original. Neste caso, usamos caracteres itálicos para distingüí-los dos termos puramente nheengatu[12].

Um dos problemas principais que devem ser resolvidos na formulação de um sistema coerente para transcrever o nheengatu é aquele do acento tônico. No nheengatu, o acréscimo constante de uma vogal às terminações consonânticas da língua geral descrita pelos jesuítas modificou o sistema acentual que caracteriza a maior parte das línguas da família tupi-guarani das quais possuímos testemunhos. Como conseqüência, as palavras cujo acento tônico cai na penúltima sílaba, não represemtam casos excepcionais. Por isso, quando começamos a transcrever os relatos gravados em Ribeira, seguimos o uso adotado pela maioria dos autores que publicaram textos nesta língua e, aplicando as regras gráficas do português, consideramos como norma acentual "não marcada" a acentuação da penúltima sílaba. Contudo, depois de termos comparado duas versões do texto que publicamos aqui, uma com a penúltima silaba não marcada e outra com a última não marcada, descubrimos que é segunda versão representava uma economia gráfica considerável, sobretudo porque um número importante de morfemas funcionais e verbos de emprego frequente são acentuados na última sílaba. Indicamos aqui o acento tônico, quando não cai na última sílaba, pelo símbolo gráfico chamado 'acento agudo'(΄). Assim, ayuka "(eu) mato" e ayúka "arranco" pronunciam-se respectivamente [ayuká] e [ayúka]. A vogal que leva o til (˜) é sempre acentuada. Por isso, não indicamos o acento quando a sílaba acentuada é caracterizada por uma vogal nasal, ex. mukũi [mukṹi] "dois". Nas palavras compostas de diversos lexemas ou de bases lexicais às quais se acrescentam sufixos com acentuação tônica autônoma, indica-se a separação dos segmentos da composição por hífens, ex. ayuka [ayuká] "(eu) mato" + -ána "já" > ayuka-ána "já matei". Segundo a hierarquía acentual da palavra composta, o acento que predomina é aquele da última sílaba acentuada. Indicamos os acentos secundários das palavras compostas pelo símbolo gráfico chamado 'acento grave' (`). Assim, a associação de ayúka "arranco" e -ána "já" escreve-se ayùka-ána "já arranquei". Na fala rápida, as duas formas se pronunciam ayukã [ayukã́] "já matei" ou "já arranquei". Um sufixo atônico se acrescenta diretamente ao lexema sem o uso de hífens, ex, ii "agua", iípe "na água" (cf. ii-sui "desde a água")[13]. Na variante da Ilha Grande, certas formas que ainda se mantêm independentes no Içana, parecem ter-se desenvolvido em gramemas atônicos: surára ayuka (//surára u-yuká// 'soldado 3s-matar') "o soldado mata" (Içana e Ilha Grande); suràraita (> surareta) uyuka (//suràra-itá u-yuká// 'soldado-pln 3s-matar') (Içana), surárata tayuka (//surára-ta ta-yuká// 'soldado-pln 3sp matar') (Ilha Grande) "os soldados matam", Parece provável que ambas variantes do nheengatu conheçam as duas formas para exprimir o plural, mas no Içana só reconhece-se a primeira como correta enquanto, na Ilha Grande, sem exceção, o informante indicava o acordo numérico durante a transcrição dos textos. O mesmo acontecia com a marca casual locativa, a forma independente upe no Içana e o sufixo atônico -pe na Ilha Grande: ùka-upe (Içana), úkape (Ilha Grande) "na casa". Todavia, escutei várias vezes a variante atônica no Içana e a forma -upé existe provávelmente também na Ilha.

As formas apocopadas são freqüentes. Nos casos seguintes, a última sílaba que começa por uma consoante nasal, pode-se reduzir à nasalização da vogal precedente: irúmu > irũ "com ele"; -aráma > arã "para", -ána > -ã "já". A terminação -ri, que se acrescenta com freqüência às formas verbais e sobretudo às derivações do português, se reduz a -i, ex. apudéri > apudéi "posso" ou se elimina completamente, ex. kuíri > kui "agora", muíri > mui "de novo". O sufixo -wa (< */b/ final do tupi) do Içana aparece nos textos publicados por Couto de Magalhães e outros autores de estudos clássicos sobre a língua geral, como -w: akwáwa "sei" (Içana), akwaw ('acuau'), nheengatu atestado na literatura. Não é raro que este sufixo se perca no Içana e nunca aparece no nheengatu da Ilha Grande (Tapuruquara). Nesta última variante, até o sufixo nominalizador -sáwa se reduz sempre a -sa, ex. mukũi-sáwa (Içana), mukũi-sa (Ilha Grande) "segundo".

Illustraremos o sistema gráfico que adotamos com un texto: "A festa no céu" que nos fui narrado por Joaquim da Gama Melgueiro. Trataremos a morfologia e a sintaxe em outro estudo. Por isso, na tradução justalinear contentaremo-nos em fornecer glosas parciais que não indicam a complexidade do funcionamento de morfemas como -ána que definimos como 'cmp'
(= morfema aspectual cumprido). O texto é baseado numa gravação feita na Ilha Grande de Tapuruquara em 1983. Trata-se de um relato muito conhecido no mundo amazônico e andino. O papel do jabuti na versão amazônica corresponde àquele do sapo ou da raposa em outras versões, enquanto o urubu se substitui ao condor da variante andina. As derivações do português, inclusive as palavras de origem tupi integradas ao léxico nacional, são indicadas em itálico.


A FESTA NO CÉU

1.         yepe viagem paa pedro umunhã festa iwáka-kiti

yepé viagem paá pedro u-muñá festa iwàka-kití

//um(a)/vez/cit/pedro/3s-fazer/festa/céu-dir //

           Dizem[14] que uma vez[15] Pedro deu uma festa no céu[16].

2.         ápe uconvidái panhe bicho usu-rã umaã tafesta

aá-pe u-convidá+ri panhe bicho u-sù-ráma umaã ta-festa

//isso-loc = aí/3s-convidar/todo/bicho/3s-ir-fin/3s-ver/3pp-festa//

           Aí convidou todos os bichos para que fossem ver a festa deles[17].

3.         ápe paa jabuti paa[18] unhee : "ti maye asu à-kiti

aá-pe paá jabuti paá u-ñee │ti mayé a-sú aà-kití

//aí/cit/jabuti/cit/3s-dizer não/como/1s-ir/isso-dir//

           Aí o jabuti disse: "Não há nenhum jeito para eu ir até aí.

4.         ixe aputái amaã nhaã festa

ixé a-putári a-maã ñaã festa

//eu/1s-querer/1s-ver/aquel(a)/festa//

           Eu quero ver aquela festa.

5.         ti aríku sepepu awewèu-rã

ti a-rikú se-pepú a-wewèu-ráma

//não/1s-ter/1p-asa/1s-voar-fin//

           Não tenho asas para voar".

6.         àpe(-te)[19] paa usasa icompadre urubu

aà-pe(-té) paá u-sasá i-compadre urubu

//aí(-enf/cit/3s-passar/3p-compadre/urubu//

           Naquele momento mesmo passou o seu compadre, o urubu.

7.         "eh compadre!" unhee paa, "ti sera repodéi rerasu ixé asu-rã iwàka-kiti amaã festa"

eh compadre│u-ñeé paá│ti será re-podé+ri re-rasú ixé a-sù-ráma iwàka-kití a-maã festa

//eh/compadre│3s-dizer/cit│não/int/2s-poder/2s-levar/eu/1s-ir-fin/céu-dir/1s-ver/festa//

           "Eh compadre!" disse, "não poderias levar-me [para eu ir][20] até o céu para que eu veja a festa?"

8.         "ah!" paa unhee, "anhũ resu kwá violão-kwàra-kiti"

ah│paá u-ñee ũ re-sú kwaá violão-kwàra-kití

//ah cit/3s-dizersó/2s-ir/este/violão-buraco-dir //

           "Ah!" disse <o urubu> [21], "so <podes ir se> fores dentro[22] do violão".

9.         "are"

aré

//sim//

           "Está certo".

10.       ápe yauti uyuruái violão-kwàra-kiti

aá-pe yautí u-yu-ruári violão-kwàra-kití

// ai/jabuti/3s-refl-embarcar/violão-buraco-dir//

           Aí o jabuti se embarcou no violão.

11.       usu-ã

u-sù-ána

//3s-ir -cmp//

           <urubu> partiu.

12.       ápe paa urubu uwewéu irũ

aá-pe paá urubu u-wewéu i-rúmu

//aí/cit/urubu/3s-voar/3p-assoc//

           Aí o urubu voou com ele.

13.       usu até iwàka-kiti

u-sú até iwàka-kití

//3s-ir/até/céu-dir//

           Foi até o céu.

14.       iwákape festa animado[23]

iwáka-pe festa animado

//céu-loc/festa/animad(a)//

           A festa no céu foi animada.

15.       certa hora upã festa

certa hora u-pàwa-ána festa

//certa/hora/3s-acabar-cmp/festa//

           A uma certa hora a festa se acabou.

16.       tudo bícho(ta) (ta)su-ã iwi-kiti, tayuiri-pawã, tawiyé-pawã

todo bicho(-ta) (ta-)sù-ána iwì-kití ta-yuìri-pàwa-ána ta-wiyè-pà-(w)ána

//todo bicho(-pln)/(3sp-)ir-cmp/terra-dir/3sp-voltar-perf-cmp/3sp-descer-perf-cmp//

           Todos os bichos foram embora até a terra, todos até o último voltaram <à terra>, desceram <até o chão>.

17.       e yauti ti uriku ipepu uwewèu-rã

e yautí ti u-rikú i-pepú u-wewèu-ráma

//e/jabuti/não/3s-ter/3p-asa/3s-voar-fin//

           E o jabuti não tinha asas para voar.

18.       pronto ! upita ápe

pronto │u-pitá aá-pe

//pronto│3s-ficar/aí//

           Pronto! Ficou ali.

19.       ápe ikwéma ara

aá-pe i-kwéma ára

//aí/3p-amanhecer/mundo=dia//

           Aí o dia amanheceu.

20.       uyeréu umaã iwi-kiti, poh! mà-sui ùri-waa iwate

u-yeréu u-maã́ iwì-kití│poh│maà-suí ùri-waá iwaté

//3s-virar+se/3s-ver/terra-dirpoh│onde-abl/3s+vir-ag/abaixo//

           Virou-se e olhou para o chão, poh![24] aí abaixo donde tinha vindo.

21.       porra! ti ukwa maye uyuiri-rã

porra│ti u-kwá mayé u-yuìri-ráma

//porra│não/3s-saber/como/3s-voltar-fin//

           Porra![25] não sabia como ia voltar.

22.       uyeréu, uwári à-sui, poh! iwi-kiti[26] uwári, poh! iwi-kiti kwà-kiti mà-kiti yaiku-waa

u-yeréu u-(w)ári aà-suí│poh│iwì-kití u-(w)ári│poh│iwì-kití kwaà-kití maà-kití ya-ikù-waá

//3s-virar+se/3s-caer/isso-ablpoh│terra-dir/3s-caer│poh│terra-dir/isto-dir/onde-dir/1sp-estar-ag//

           Virou-se, caiu daí, poh! caiu até a terra, até a terra, aqui onde estamos.

23.       pronto! ape yauti-kwéra upupuka-pa

pronto│aá-pe yautì-kwéra u-pupukà-pá

//pronto│aí/jabuti-ps/3s-rebentar-perf//

           Pronto! Aí o jabuti rebentou.

24.       yawe-ráma paa remendo-pa nhaã ipiréra

yawè-ráma paá remendo-pá ñaã́ i-piréra

//assim-fin/cit/remendo-perf/aquel(a)/3p-casca//

           É por isso que tem a casca cheia de remendos.


Lista das abreviações utilizadas

Is           primeira pessoa sujeito

Isp         primeira pessoa plural sujeito

2s          segunda pessoa sujeito

3p          terceira pessoa possessiva

3pp        terceira pessoa plural possessiva

3s          terceira pessoa sujeito

3sp        terceira pessoa plural sujeito

abl         morfema casual ablativo

ag          nominalizador agentivo; na realidade, o seu papel é muito complexo. Permite a estruturação de sintagmas nominais em aposição com outras formas nominais e indica também o ator (agente) do lexema verbal nominalizado.

assoc     associativo o instrumental

cit          morfema modal citativo

cmp       morfema aspectual cumprido (v. POTTIER, trad. port. 1978).,

dir         morfema casual direcional, exprime também o terminativo: "até".

enf         enfático, glosa parcial. Traduz o conceito de "mesmo" em locuções como "naquele momente mesmo", "aquela mesma idêntica pessoa".

fin          morfema casual final ou benefactivo "para".

int          morfema interrogativo

loc         morfema casual locativo

perf       perfectivo. Derivado de um lexema que significa 'acabar, terminar', indica como sufixo verbal que a ação descrita pela raíz verbal se concluiu, se terminou, e no caso preciso do enunciado (16), que os invitados à festa foram embora todos, até o último.

pln         pluralizador nominal

ps          passado; glosa inadequada, se refere a um sufixo, nominal no contexto, que indica que um ser animado ou um objeto tem cessado de existir ou de cumprir a função que lhes correspondia por definição; pode-se comparar ao emprego do morfema ex- em "ex-presidente" ou "defunto" em "meu pai defunto". No enunciado (24) do relato "A festa no céu", parece indicar que o jabuti se matou ao cair no chão embora tivesse estabelecido, com a sua casca "remendada" as características da nova raça de jabutis.

refl        reflexivo


BIBLIOGRAFIA

BESSA FREIRE, J. (1983) "Da 'fala boa' ao português na Amazônia brasileira", Amerindia 8, Paris.

COSTA, D.F. (1909) Carta pastoral, Ceará-Fortaleza.

COUTO DE MAGALHAES (1876) 0 selvagem , ed. São Paulo 1975.

DRUMMOND, C. (ed.) (1952) Vocabulário na língua brasílica, São Paulo.

EDELWEISS, F.G. (1969) Estudos tupis e tupi-guaranis, Rio de Janeiro.

POTTIER, B. (1978) Lingüística geral. Teoria e descrição. Tradução e adaptação portuguesa de Walmírio Macedo, Rió de Janeiro.

RESTIVO, P. (1722) Vocabulario de la lengua guarani, ed. Stuttgart 1893.

TASTEVIN, C. (1910) La langue tapihiya dite tupi, Viena.



* Uma versão mais elaborada deste artigo, com outros critérios no tocante ao sistema gráfico, foi publicada no Caderno de Leitura Nheengatu 1: Vamos escrever nossa língua. Recomendações para os professores. Inspetoria Salesiana Misionaria da Amazônia, Manaus, 1995.

[1] Para conhecer o papel histórico do nheengatu na região amazônica, consultar BESSA: 1983.

[2] Uma avaliação crítica destas obras é contida em EDELWEISS: 1969 (Capitulo 10: "O dialeto nheengatu", pp. 188-196).

[3] Tratamos este tema em outro artigo "Língua geral: mito e realidad" a ser publicada na revista do Museo do Índio, Rio de Janeiro.

[4] Indicamos a vogal de um lexema monossilábico derivado da contração de duas vogais idênticas ou quase idênticas por um acento agudo.

[5] Não encontrei este vocábulo no léxico clássico de RESTIVO (ed. 1893), baseado em Montoya, nem no Vocabulário na língua brasílica (ed. 1952). As formas atuais, no nheengatu: mikúra, no português brasileiro: "mucura", e no guarani mbyá e ñandeva do litoral de São Paulo: mbyku [mbikú], justificam a minha reconstrução.

[6] Una vogal nasal pode nasalizar a consoante inicial do sufixo locativo -pe: paranáme (//paraná-pe//) "no rio", atestado em Tapuruquara e no Içana.

[7] Na realidade, é muito difícil identificar tais formas. O termo dabucuri muito conhecido na literatura etnográfica, parecia-nos sempre un elemento do substrato até encontrarmos a etimologia: "Tauúcuri, taua-oú-curi'' numa citação de Stradelli, publicada no Dicionário do Folclore brasileiro, por Câmara Cascudo.

[8] Como no português local, /t/ e /nd/ se palatalizam diante /i/: /ti/ [tyi] "não", /andirá/ [andyirá] "morcego".

[9] As vezes, encontramos [r] em final de sílaba, como em kérpi "sonho", mas ouve-se também kérupi que, no Içana, parece a forma mais comum.

[10] Por exemplo uiapi "tiro" no léxico de Dom F. Costa: [wiapi] ou [uyapi] ? Formas gráficas como uhi-hi "hoje" ou iu-iumimi "esconder-se" mostram os problemas gráficos (hífen; emprego de h como fronteira entre duas vogais) causados pelo não reconhecimento do caracter consonântico de [w] e de [y].

[11] Consultar lista de abreviações gramaticais no fim do artigo.

[12] A utilidade de manter a grafia portuguesa dos vocábulos não assimilados nos parece evidente se tomamos en consideração que a alfabetização nas áreas de fala nheengatu se faz exclusivamente na língua nacional. Nosso emprego aqui de caracteres tipográficos especiais para distingüí-los, baseia-se no desejo de mostrar como funciona na língua da literatura oral o sistema fonológico do nheengatu no léxico que lhe é próprio.

[13] Certos adeptos da alfabetização acham que não é útil introduzir uma precisão excessiva na transcrição das línguas indígenas, já que o falante nativo sabe quanto é necessário acentuar ou não uma silaba. É um ponto de vista muito discutível tratando-se de línguas onde o acento tônico é fonológico. De toda maneira, se o aluno escreve sem utilizar os acentos e consegue transmitir a sua mensagem aos outros e anotar para si mesmo o que julgue conveniente, então o sistema gráfico funciona -mas só parcialmente. A escrita serve também para transcrever a tradição oral e conservá-la para as gerações futuras. Nos livros editados para leitura nas escolas, não seria demais tenter facilitar a compreensão da mensagem escrita reduzindo as possíveis fontes de ambiguidade a um mínimo. O sistema ortográfico que apresentamos aqui é experimental. Talvez o ideal para transcrições futuras seria indicar o acento só quando a possibilidade de confusão for comprovada.

[14] O morfema modal citativo aparece na maior parte dos enunciados nos relatos populares. Muitas vezes, o seu valor semântico é muito limitado e o seu emprego corresponde a um reflexo automático. Não indicaremos a sua presença no resto do texto.

[15] A palavra portuguesa "viagem" corresponde ao conceito de "vez" em nheengatu. Da mesma maneira, viaje significa "vez" no quechua equatoriano. Não sabemos se são localismos ou se este emprego de "viagem/viaje" existe também no português e no espanhol ibérico e americano.

[16] Lit. "até" ou "para o céu".

[17] Quer dizer, provavelmente, a festa dos habitantes do céu.

[18] O citativo paa aparece freqüentemente nos relatos com uma função mais prosódica do que semântica.

[19] Os parênteses indicam formas quase inaudíveis na gravação e de reconstitução hipotética.

[20] [ ] indica uma passagem redundante no texto original.

[21] < > indica uma passagem acrescentada ao texto original para esclarescer o sentido ou por motivos estilísticos.

[22] "no buraco" corresponde ao conceito "interior". De novo, usa-se o morfema casual direcional -kiti. Indica possivelmente o movimento do jabuti que vai se introduzir dentro do violão.

[23] O acordo de número e de gênero não é sempre respeitado nos empréstimos do português.

[24] Nos enunciados (20) e (22), a exclamação poh! além da sua função onomatopéica serve também de pontuação sonora ao relatar o conto.

[25] "porra" no falar amazônico não possui nenhum matiz escabroso e corresponde a uma exclamação de surpresa ou de irritação.

[26] A supressao da primeira consoante do morfema -kiti é freqüente.